Jornal Vascular Brasileiro
https://www.jvascbras.org/article/doi/10.1590/1677-5449.190114
Jornal Vascular Brasileiro
Editorial

Classificações e questionários de qualidade de vida na doença venosa: quais são, por que e quando utilizar?

Venous disease classifications and generic and disease-specific quality of life questionnaires: which, why, and when to use?

Vanessa Prado dos Santos; André Brito Queiroz

Downloads: 0
Views: 22


A complexidade que envolve a doença venosa pode ser observada na multiplicidade de siglas e conceitos utilizados. O termo doença venosa crônica (DVC) abrange os diversos sinais e sintomas da doença venosa1,2. Já insuficiência venosa crônica (IVC) remonta a doença de maior gravidade, quando a classificação CEAP está entre C3-C6, desde o edema até a ulceração1,2. No entanto, alguns autores utilizam o termo IVC apenas quando há alterações de pele e tecido subcutâneo, considerando IVC as classes entre C4 e C63. Para estudar melhor a doença venosa, seu diagnóstico, tratamento e acompanhamento, foram propostas algumas classificações. A classificação CEAP, revisada em 2004, inclui os diversos sinais de comprometimento venoso e traz as dimensões C (clinical signs); E (etiologic classification); A (anatomic distribution) e P (pathophysiologic dysfunction)4,5 (Tabela 1). Os autores discutem o termo “doença”, propondo que as classificações iniciais do CEAP sejam denominadas desordens venosas crônicas (chronic venous disorders)5. O Venous Clinical Severity Score (VCSS), revisado em 2010, é utilizado para acompanhar os sintomas e mensurar a gravidade da DVC e não inclui no escore telangiectasias e veias reticulares6,7 (Tabela 2). As classificações clínicas da DVC são utilizadas para nortear a investigação diagnóstica, acompanhar a evolução da doença e avaliar os resultados do tratamento. No entanto, um doente classificado como CEAP 5 pode, apesar da sua melhora clínica, manter-se na mesma classificação inicial após o tratamento. Pensando na complexidade da doença venosa, percebemos a multiplicidade de situações em que precisamos de outros critérios para avaliar a evolução da doença. A literatura propõe a utilização conjunta do VCSS e do CEAP, e sugere que sejam associados questionários de qualidade de vida (QV)7. Seja desordem, doença ou insuficiência, o termo aplicado, os sintomas e sinais decorrentes do comprometimento do sistema venoso influenciam na QV das pessoas8,9. A preocupação com aspectos relacionados à QV vem crescendo nas discussões do campo da saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu QV como “a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações”10. Sendo assim, além das classificações mencionadas, quais seriam os questionários de QV propostos para a doença venosa? A QV em saúde pode estar relacionada a condições gerais, estudadas por meio de questionários genéricos, ou a algumas doenças, avaliada por meio de instrumentos específicos8,9,11. Os questionários World Health Organization Instrument to Assess Quality of Life (WHOQOL) e 36-item Short-Form Health Survey (SF-36) são instrumentos genéricos para estudar a QV, enquanto o Chronic Venous Insufficiency Questionnaire (CIVIQ), o Venous Insufficiency Epidemiological and Economic Study/Quality of Life-Symptoms (VEINES/QoL-Sym), o Aberdeen Varicose Vein Questionnaire (AVVQ) e o Charing Cross Venous Ulceration Questionnaire (CXVUQ) são específicos para a QV na DVC8,9,12,13 (Tabela 3). O WHOQOL-100 contém 100 questões distribuídas em seis domínios: físico, psicológico, nível de independência, relações sociais, meio ambiente e espiritualidade/religiosidade/crenças pessoais10,12,14. O SF-36 é um questionário genérico que avalia capacidade funcional, aspectos físicos, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais e saúde mental, além de comparar a saúde atual e há 1 ano15,16. A partir dos questionários genéricos, foi identificada a necessidade de avaliar o impacto de doenças específicas na QV. Os questionários específicos para a doença venosa são: CIVIQ, VEINES, AVVQ e CXVUQ8,9. O CIVIQ e o VEINES/QoL-Sym avaliam a doença venosa de maneira geral, e o AVVQ e o CXVUQ tratam de aspectos específicos da DVC8,9. O CIVIQ-20 enfoca as dimensões física, psicológica, social e dor, com perguntas que incluem atividades diárias, sono, dor e irritabilidade8,9,17. O questionário VEINES/QoL-Sym é composto de dois escores: o VEINES-QoL, que trata da QV na DVC, e o VEINES-Sym, que diz respeito aos sintomas de DVC18, tendo sido traduzido e adaptado no Brasil11. O AVVQ foi desenvolvido para avaliar a QV em doentes com varizes e conta com um diagrama dos membros inferiores, para que o paciente as desenhe8,9,19,20. O CXVUQ é voltado para avaliar a QV em doentes com úlcera venosa ativa21,22. Questionários específicos fornecem informações mais detalhadas quando utilizados em conjunto com os genéricos8. Embora aplicar uma classificação clínica, acrescentando um questionário de QV genérico e um específico, possa dificultar o uso rotineiro desses instrumentos, conhecer as diferentes classificações e questionários nos permite avaliar qual adotar em benefício da nossa prática. Atualmente, as classificações clínicas são as mais utilizadas quando se discute DVC, mostrando associação com a QV8. No Brasil, questionários específicos de QV foram traduzidos, adaptados e validados. Se pensarmos em utilizar esses instrumentos, o questionário de QV pode ser respondido pelo doente enquanto aguarda o atendimento, e durante a consulta já aplicamos uma das classificações clínicas. Ou seja, temos a possibilidade de acompanhar a doença venosa, que tratamos na nossa rotina, conhecendo o impacto que ela tem no dia a dia dos nossos pacientes.

ClassificaçãoClinical-Etiology-Anatomy-Pathophysiology (CEAP) revisada5.:

C (Clinica) E (Etiologia) A (Anatomia) P (Fisiopatologia)
C0: sem sinais visíveis ou palpáveis de doença venosa Ec: congênita As: veias superficiais Pr: refluxo
C1: telangiectasias (< 1 mm) ou veias reticulares (≥ 1 mm e < 3 mm) Ep: primária Ap: veias perfurantes Po: obstrução
C2: veias varicosas (diâmetro ≥ 3 mm)C3: edema Es: secundária (pós-trombótica) Ad: veias profundas Pr,o: refluxo e obstrução
C4: alterações de pele e tecido subcutâneo secundárias a DVCC4a: eczema ou pigmentaçãoC4b: lipodermatoesclerose ou atrofia branca En: sem causa venosa identificada An: localização venosa não identificada Pn: fisiopatologia venosa não identificada
C5: úlcera venosa cicatrizadaC6: úlcera venosa ativa      
DVC: Doença Venosa Crônica.

 


EscoreVenous Clinical Severity Score (VCSS) revisado7.:

Característica clínica Não (0) Leve (1) Moderado (2) Grave (3)
Dor (ou outro desconforto de origem venosa presumida) - Ocasional Diária (não limita atividades) Diária (limitando as atividades)
Veias varicosas (≥ 3 mm em ortostase) - Poucas (isoladas) Restrita à região da panturrilha ou da coxa Na região da panturrilha e da coxa
Edema venoso (origem venosa presumida) - Limitado às áreas do pé e tornozelo Extensão acima do tornozelo, mas abaixo do joelho Atinge o joelho e acima dele
Pigmentação da pele (origem venosa presumida) Nenhuma ou focal Limitada à região perimaleolar Difusa sobre o terço inferior da panturrilha Acima do terço inferior da panturrilha
Inflamação (eritema, eczema dermatite) - Limitada à região perimaleolar Difusa sobre o terço inferior da panturrilha Acima do terço inferior da panturrilha
Enduração (fibrose, hipodermite, atrofia branca, lipodermatoesclerose) - Limitada à região perimaleolar Difusa sobre o terço inferior da panturrilha Acima do terço inferior da panturrilha
Número de úlceras ativas 0 1 2 ≥ 3
Duração da úlcera ativa N/A < 3 meses > 3 meses, mas < 1 ano Não cicatriza > 1 ano
Tamanho da úlcera ativa N/A Diâmetro < 2 cm Diâmetro 2-6 cm Diâmetro > 6 cm
Uso de terapia compressiva (0) não usa (1) uso intermitente (2) terapia compressiva na maioria dos dias (3) adesão completa a terapia compressiva
Resumo dos questionários de qualidade de vida genéricos e específicos para DVC.:
Questionário Tipo de instrumento/população alvo Número de questões/versões abreviadas Referência dos instrumentos traduzidos para o português
WHOQOL Genérico WHOQOL-100 itens e WHOQOL-Bref com 26 itens Fleck et al.14
SF-36 Genérico SF-36 itens; SF-12 (abreviado: 12 itens) Ciconelli et al.15
CIVIQ Específico/pacientes com DVC CIVIQ-20 itens e CIVIQ-14 (abreviado: 14 itens) Leal & Mansilha8
VEINES Específico/ pacientes com DVC Dois escores: VEINES/Sym (10 itens) e VEINES/QoL (25 itens) Moura et al.11
AVVQ Específico/pacientes com varizes de membros inferiores 13 itens/12 perguntas e um diagrama para desenhar as veias varicosas Leal et al.20
CXVUQ Específico/pacientes com úlcera venosa 21 itens/quatro domínios Couto et al.22
AVVQ: Aberdeen Varicose Vein Questionnaire; CIVIQ: Chronic Venous Insufficiency Questionnaire; CXVUQ: Charing Cross Venous Ulceration Questionnaire; DVC: DoençaVenosaCrônica; SF-36: 36-item Short-Form Health Survey; VEINES: Venous Insufficiency Epidemiological and Economic Study; WHOQOL: World Health Organization Instrument to Assess Quality of Life.

References

Beebe-Dimmer JL, Pfeifer JR, Engle JS, Schottenfeld D. The epidemiology of chronic venous insufficiency and varicose veins. Ann Epidemiol. 2005;15(3):175-84. http://dx.doi.org/10.1016/j.annepidem.2004.05.015. PMid:15723761.

Maffei FHA, Castro Santos MER. Insuficiência Venosa Crônica: Conceito, prevalência, etiopatogenia e fisiopatologia. In: Maffei FHA, Yoshida WB, Rollo HA, et al. editores. Doenças vasculares periféricas. 5ª ed. vol. 2. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2016. p. 2020-37.

Bergan JJ, Schmid-Schönbein GW, Smith PD, Nicolaides AN, Boisseau MR, Eklof B. Chronic venous disease. N Engl J Med. 2006;355(5):488-98. http://dx.doi.org/10.1056/NEJMra055289. PMid:16885552.

Beebe HG, Bergan JJ, Bergqvist D, et al. Classification and grading of chronic venous disease in the lower limbs. A consensus statement. Eur J Vasc Endovasc Surg. 1996;12(4):487-92. http://dx.doi.org/10.1016/S1078-5884(96)80019-0. PMid:8980442.

Eklöf B, Rutherford RB, Bergan JJ, et al. Revision of CEAP classification for Chronic Venous disorders: Consensus statement. J Vasc Surg. 2004;40(6):1248-52. http://dx.doi.org/10.1016/j.jvs.2004.09.027. PMid:15622385.

Rutherford RB, Padberg FT Jr, Comerota AJ, Kistner RL, Meissner MH, Moneta GL. Venous severity scoring: An adjunct to venous outcome assessment. J Vasc Surg. 2000;31(6):1307-12. http://dx.doi.org/10.1067/mva.2000.107094. PMid:10842165.

Vasquez MA, Rabe E, McLafferty RB, et al. Revision of the venous clinical severity score: Venous outcomes consensus statement: Special communication of the American Venous Forum Ad Hoc Outcomes Working Group. J Vasc Surg. 2010;52(5):1387-96. http://dx.doi.org/10.1016/j.jvs.2010.06.161. PMid:20875713.

Leal J, Mansilha A. Como avaliar o impacto da doença venosa crónica na qualidade de vida. Angiol Cir Vasc. 2010;6(4):173-87.

Catarinella FS, Nieman FHM, Wittens CHA. An overview of the most commonly used venous quality of life and clinical outcome measurements. J Vasc Surg: Venous and Lym Dis. 2015;3(3):333-40. http://dx.doi.org/10.1016/j.jvsv.2014.09.003. PMid:26992316.

World Health Organization. Division of Mental Health and Prevention of Substance Abuse. WHOQOL: measuring quality of life. Introducing the WHOQOL instruments. Geneva: WHO; 1997. p. 1-13.

Moura RMF, Gonçalves GS, Navarro TP, Britto RR, Dias RC. Adaptação transcultural do questionário VEINES/QOL-SYM: avaliação da qualidade de vida e sintomas na doença venosa crônica. J Vasc Bras. 2011;10(1):17-25. http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492011000100004.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, et al. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100). Rev Saude Publica. 1999;33(2):198-205. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101999000200012. PMid:10413938.

Jenkinson C, Coulter A, Wright L. Short form 36 (SF 36) health survey questionnaire: normative data for adults of working age. BMJ. 1993;306(6890):1437-40. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.306.6890.1437. PMid:8518639.

Fleck MPA, Leal OF, Louzada S, et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev Bras Psiquiatr. 1999;21(1):19-28. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44461999000100006.

Ciconelli RM. Tradução para o português e validação do questionário de avaliação de qualidade de vida “Medical Outcomes Study 36-ItemShort- Form Health Survey (SF-36)” [tese]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo; 1997.

Ware JE, Gandek B. Overview of the SF-36 health survey and the International Quality of Life Assessment (IQOLA) project. J Clin Epidemiol. 1998;51(11):903-12.

Launois R, Mansilha A, Lozano F. Linguistic validation of the 20 item-chronic venous disease quality-of-life questionnaire (CIVIQ-20). Phlebology. 2014;29(7):484-7. http://dx.doi.org/10.1177/0268355513479582. PMid:23563648.

Kahn SR, Lamping DL, Ducruet T, et al. VEINES QOL/Sym questionnaire was a reliable and valid disease-specific quality of life measure for deep venous thrombosis. J Clin Epidemiol. 2006;59(10):1049-56. http://dx.doi.org/10.1016/j.jclinepi.2005.10.016. PMid:16980144.

Garratt AM, Macdonald LM, Ruta DA, Russell IT, Buckingham JK, Krukowski ZH. Towards measurements of outcome for patients with varicose veins. Qual Health Care. 1993;2(1):5-10. http://dx.doi.org/10.1136/qshc.2.1.5. PMid:10132081.

Leal FJ, Couto RC, Pitta GBB, et al. Tradução e adaptação cultural do Questionário Aberdeen para Veias Varicosas. J Vasc Bras. 2012;11(1):34-42. http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492012000100007.

Smith JJ, Guest MG, Greenhalgh RM, Davies AH. Measuring the quality of life in patients with venous ulcers. J Vasc Surg. 2000;31(4):642-9. http://dx.doi.org/10.1067/mva.2000.104103. PMid:10753271.

Couto RC, Leal FJ, Pitta GBB, Bezerra RCB, Segundo WSS, Porto TM. Tradução e adaptação cultural do Charing Cross Venous Ulcer Questionnaire – Brasil. J Vasc Bras. 2012;11(2):102-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492012000200006.
 

5dde69c60e882539307b23c7 jvb Articles

J Vasc Bras

Share this page
Page Sections