Jornal Vascular Brasileiro
https://www.jvascbras.org/article/doi/10.1590/S1677-54492005000300011
Jornal Vascular Brasileiro
Original Article

Avaliação linfocintilográfica dos linfedemas dos membros inferiores: correlação com achados clínicos em 34 pacientes

Andréa Paula Kafejian-Haddad; Ana Paula Garcia; Andrei Galembeck Mitev; Audrey dos Reis; Carolina Kassab; Guilherme Centofanti; Simone Maluf Barella; Ohannes Kafejian

Downloads: 0
Views: 200

Resumo

OBJETIVO: Correlacionar a localização das alterações clínicas de portadores de linfedema com as dos achados linfocintilográficos. MÉTODO: Foram avaliados 34 pacientes com linfedema dos membros inferiores atendidos no Setor de Linfologia da Disciplina de Cirurgia Vascular da Faculdade de Medicina do ABC. As linfocintilografias com imagens adquiridas em dois tempos - 20 minutos e 3 horas - foram analisadas quanto aos seguintes parâmetros: vasos linfáticos, refluxo dérmico, circulação colateral, linfonodos poplíteos e inguinais. Correlacionaram-se os resultados com a localização do edema no membro: grupo A (sem edema), grupo B (pé), grupo C (tornozelo), grupo D (perna) e grupo E (coxa). RESULTADO: A maioria das imagens linfocintilográficas apresentou anormalidades nos vasos linfáticos e linfonodos inguinais e pouca alteração em relação aos outros parâmetros. Dos 34 pacientes, 12 apresentaram linfedema unilateral clinicamente. Destes, 11 apresentaram alteração linfocintilográfica bilateral. CONCLUSÃO: A localização do linfedema ao exame físico não correspondeu, na maioria dos casos, às alterações linfocintilográficas. Em todos os grupos, as alterações linfocintilográficas ocorreram na perna e na coxa. O exame físico do membro pode estar normal e ainda assim apresentar anormalidades na linfocintilografia.

Palavras-chave

linfedema, sistema linfático, cintilografia, extremidade inferior

References

Gloviczki P, Wahner HW. Clinical diagnosis and evolution of lymphedema. Vascular surgery. 2000:2123-42.

Guedes Neto HJ. Linfedemas: Classificação, Etiologia, Quadro Clínico e Tratamento não Cirúrgico. Cirurgia vascular. 2002:1228-35.

Cordeiro A. K., Baracat F. F. Byk: Procienx. 1983.

Andrade MF, Lastória S, Yoshida WB, Rollo HA. Tratamento Clínico do linfedema. . 2002:1647-59..

Kafejian-Haddad AP, Sanjar FB, Hiratsuka J, Kalil PG, Fernandes MB, Kafejian O. Análise dos pacientes portadores de linfedema no serviço público. J Vasc Br.. 2005;4:55-8.

Mowlen R. The treatment of lymphoedema. Br J Plastic Surg.. 1948;1:48-55.

The diagnosis and treatment of peripheral lymphoedema: Consensus Document of the International Society of Linphology Executive Committee. Lymphology. 1995;28:113-7.

Kafejian-Haddad AP, Galego SJ, Correa JA. Linfedema: análise inicial dos pacientes acompanhados no ambulatório de linfologia da disciplina de angiologia e cirurgia vascular da Faculdade de Medicina do ABC. Arquivos Médicos do ABC.. 2003;28:41-9.

Kafejian-Haddad AP. Avaliação linfocintilográfica do efeito da drenagem linfática manual no linfedema dos membros inferiores. 2003.

Kinmonth JB, Taylor GW, Tracy GD, Marsh JD. Primary lymphoedema. Br J Surg.. 1957;45:1-10.

Guedes HJ, Andrade MF. Diagnóstico e tratamento do linfedema periférico. Cir Vasc Angiol.. 1996;12.

Weissleder H, Weissleder R. Lymphedema: evaluation of qualitative lymphoscintigraphy in 238 patients. Radiology. 1988;167:729-35.

Földi E, Földi M, Weissleder H. Conservative treatment of lymphedema of the limbs. Angyology. 1985;36:171-80.

Perez MD. Compressão pneumática intermitente seqüencial no linfedema dos membros inferiores: avaliação linfocintilográfica com dextran marcado com tecnécio 99m. 1996.

Weissleder MD, Trall JH. The lymphatic system: diagnostic imaging studies. Radiology. 1989;172:315-7.

Gloviczki P, Calcagno D, Schirger A. Noninvasive evolution of the swollen extremity: experiences with 190 lymphocintigraphic examinations. J Vasc Surg.. 1989;9:683-90.

Cestari SC, Petri V, Castiglioni ML, Lederman H. Linfedema dos membros inferiores: estudo linfocintilográfico. Rev Assoc Med Bras.. 1994;40(2):93-100.

Perez MD. Lifocintilografia radioisotópica, tomografia computadorizada e ressonância magnética nas doenças linfáticas. Doenças vasculares periféricas. 2002:545-52.

Nawaz K, Hamad M, Abdel-Dayem HM, Sadek S, Eklof BG. Tc-99m human serum albumin lymphoscintigraphy in lymphedema of the lower extremities. Clin Nucl Med.. 1990;15:794-9.

Moshiri M, Katz DS, Boris M, Yung E. Using lymphoscintigraphy to evaluate suspected lymphedema of the extremities. AJR Am J Roentgenol.. 2002;178:405-12.

Gomes SC. Linfocintilografia superficial de membros inferiores com dextran 500 Tc99m: Estudo em pacientes portadores de filariose e de linfopatia não filariótica. 1990.

Larcos G, Foster DR. Interpretation of lymphoscintigrams in suspected lymphoedema: contribution of delayed images. Nucl Med Com.. 1995;16:683-6.

Guedes-Neto HJ. Estudo linfocintilográfico qualitativo dos membros superiores de doentes com linfedema secundário a tratamento cirúrgico para o câncer de mama. 2002.

5de007dc0e882549164ce1d6 jvb Articles
Links & Downloads

J Vasc Bras

Share this page
Page Sections